Por uma nova educação

Desde que comecei o “meu processo de despertar”, a buscar as coisas que fazem sentido para mim e que escolhi trabalhar nesta vida, a Nova Educação sempre foi um dos meus temas favoritos. Meu 1º novo olhar veio com o documentário “Educação Proibida”, que foi um tapa na cara sobre o nosso sistema educacional atual. Afinal, o que estamos fazendo com nossas crianças?!

Nosso modelo atual de educação é completamente defasado, e mais que isso, faz um mal danado para nossas crianças. Então depois do documentário, que abriu muito minha consciência, comecei a pesquisar o tema mais a fundo, e como foi esclarecedor. E o mais louco é que nada parecia novidade, tudo o que eu estava estudando/pesquisando fazia muito sentido.

Hoje obrigamos, consciente ou inconscientemente, as crianças a serem todas iguais, terem comportamentos que acreditamos serem os mais adequados, e ensinamos aquilo que achamos o que elas tem que aprender. Na verdade ensinamos o que achamos que ela precisa aprender para um dia fazer uma prova e entrar em uma faculdade. É praticamente um treino, um molde.

Isso porque já determinamos que nossas crianças querem ser ou médicos, ou advogados, ou engenheiros, ou todas essas profissões que conhecemos e que são “carreiras bem sucedidas”. E não fazemos isso por mal, pelo contrário fazemos isso porque amamos elas e queremos o melhor para o futuro delas, é por amor!

Só que com isso estamos deixando um grande potencial desses seres lindos morrer, estamos tolhendo grandes mestres, estamos bloqueando diversas habilidades naturais, estamos castrando a essência destas crianças. As crianças já nascem com algumas habilidades inatas, aquela teoria da tábula rasa, onde a criança não tem “conteúdo” quando nascem, e ao longo da vida temos que “colocar o conteúdo”, desculpa mas não se aplica.

E aqui vou entrar um pouco no tema da espiritualidade, que para mim é muito natural e está muito conectado com o que acredito nessa vertente da Nova Educação. Eu acredito que nossa alma já vem por este mundo por muitos e muitos anos, não é a 1ª, e nem será a última vez que estaremos vivendo aqui pela Terra, e durante essas vidas já aprendemos muitas coisas, já desenvolvemos muitas habilidades, então não somos uma alma “sem conhecimento”. Portanto quando nascemos, já trazemos todo esse “conteúdo”. Em algum momento já aprendemos a ler, fazer contas, além de outras habilidades como tocar um piano, dançar, falar bem, escrever, etc, etc, etc.

E por esse motivo nada mais disso precisa ser ensinado, mas apenas relembrado. Com você mesmo, já não aconteceu de escutar um assunto pela 1ª vez, mas aquele assunto não parecer ser muito estranho, te gerar uma sensação que, no fundo, você já tinha ouvido falar sobre aquilo? É porque você já ouviu falar sobre aquilo, ou em algum momento viveu aquela experiência. E assim acontece com nossas crianças.

E essas crianças estão vindo cada vez mais inteligentes, espertas, aprendendo as coisas rápido, nos surpreendendo até com algumas atitudes, questionamentos. Na verdade, essas crianças que estão por aí, estão vindo para uma mudança de paradigma, uma mudança de mundo. O mundo está mudando, e rápido caso você ainda não tenha percebido. Muitas coisas lindas estão acontecendo, novos conceitos estão surgindo, e velhas coisas estão se mostrando cada vez mais sem sentido e falidas.

E essas crianças já estão vindo para viver neste “novo mundo”, e alguns adultos já estão por aqui para preparar este terreno, trabalhando já para iniciar este processo de transformação. Aliás, porque você acha que tem tanta gente inquieta? Tanta gente promovendo grandes mudanças em suas vidas, buscando uma vida com o propósito de criar um planeta, um mundo que faça mais sentido e alinhado com o que acredita, alinhado com a energia do amor, da abundância, da união? As coisas já estão acontecendo galera!

E independente de sua crença, se acredita ou não em vidas passadas, e em tudo aquilo que falei, uma coisa não se pode negar, nossas crianças já nascem curiosas, já nascem cientistas, e cada um com sua personalidade tão própria. E então por que querer “padronizá-las”? Por que temos que determinar o que é um bom, ou um mal comportamento? Por que crianças consideradas agitadas tem que ser quietas? Por que crianças muito quietas tem que ser mais agitadas? Por que simplesmente não respeitamos o jeito de cada uma?

E é sobre isso que essa Nova Educação vem falar, para deixarmos nossas crianças serem o que são. Ritalina, psicólogos, rotinas pesadas com o intuito de prepararmos nossas crianças para serem adultos super poderosos, nada disso é natural. Não é esse o caminho. Isso na verdade só está gerando ansiedades, depressões, ataques de pânicos precoces… Vamos deixar nossas crianças serem que são, e se expressarem da forma que querem.

Uma nova metodologia, uma nova forma de ensinar, com o objetivo de potencializar as habilidades inatas, desenvolver outras, resgatar valores que estão se perdendo, é nisso que devemos focar. O contato com a natureza, o contato com o outro ser humano, o contato com a família, com a comunidade.

Música, artes, natureza, experiências, brincadeiras, trocas… essas são as bases para um desenvolvimento cognitivo saudável. E aí com muita naturalidade, vem as tais matérias dos currículos de educação. Aprender a ler com gosto, por interesse; aprender História com atividades de teatros, trabalhos em grupos, contação de história; a Matemática com a lógica, com experimentação; a Ciência, observando, vendo na prática, vivenciando. E nada disso é utópico, nada disso é fantasioso; é real, é possível e já está acontecendo em vários espaços.

Não temos mais que criar adultos para trabalhos específicos, até precisamos disso durante um tempo, o mundo precisou disso, mas agora o momento é outro. Temos que ter e dar a liberdade de cada um criar o seu trabalho, ser o que quiser ser, servir a este planeta como sente que tem que servir. Daqui 20 anos, na velocidade que as coisas estão acontecendo, novas profissões irão surgir, novas demandas vão estar nascendo, não faz sentido continuar neste treinamento “burro” que os estamos submetendo.

Isso para mim é o que faz sentido, isso me fez me apaixonar de novo pela educação, e este novo movimento que está surgindo. O mundo está mudando, as crianças que estão chegando estão vindo com outro propósito, e precisamos estar preparados para isso. Que venha a mudança!

O que achou do artigo?