A mulher se tornou independente… Ou sempre foi?

Houve um tempo que para sair de casa, as mulheres precisam pedir permissão a seus maridos. Havia algumas que deviam chamá-los de senhor, fazer todas suas vontades e demonstrar sempre uma felicidade a seu lado, como se esse fosse o melhor conto de fadas.

Mas na maior parte das vezes, essas mulheres se sentiam infelizes, anulando seus sonhos e tendo que desistir delas mesmas por conta dos maridos, filhos e família. Mas foi a partir do século 20 que vimos a mulher tomar outro rumo, ter coragem e encarar os homens de frente, não temendo as consequências de viverem de verdade.

Hoje, elas trabalham, cuidam de suas famílias, tem liberdade sexual e uma vida muito mais independente, que nem sempre conta com o sexo masculino para fornecer-lhes nada…nem amor, prazer ou auxílio. Elas são felizes em si mesmas!

Mas como começou a revolução das mulheres no mundo? Como elas comandam suas vidas nos dias de hoje e qual tem sido o papel do homem nessa evolução feminina? Veja como a independência feminina está impactando o mundo atualmente e quais as projeções para o futuro.

Um breve resumo sobre a história da independência feminina

Desde que o mundo é mundo, as mulheres buscam a liberdade. Na maior parte das culturas conhecidas, o homem tem o papel de ser o cabeça, o principal e geralmente o provedor. Seja por um costume religioso ou apenas como regra social, o homem foi por muito tempo uma peça fundamental nas famílias e como o direcionador das mulheres de sua família ou as que estivessem sob seu controle.

A partir do final do século 19, as mulheres começaram a se unir em busca de uma nova forma de vida e liderança, não permitindo mais que os homens tivessem o controle total sobre suas vidas, mas que elas mesmas pudessem decidir como determinar sua existência do início ao fim.

Louise Weiss, Emmeline Pankhurst, Margaret Sanger, foram alguns nomes que lideraram o sufrágio e luta pela liberdade das mulheres em votar, adquirir bens, trabalhar e até abortar ou se negar a casar, coisa que até então poderia ser obrigação da família, independente da vontade da mulher.

Com o passar do tempo, o movimento ficou conhecido como Movimento Feminista, e abriu muitas portas e possibilidades que antes do século 20 não haviam, sendo que Simone Beaviour se tornou a escritora mais célebre sobre o assunto.

Apesar da evolução que o movimento causou, até meados da década de 90, em muitos países não haviam leis que cuidassem exclusivamente do bem estar das mulheres como delegacias especiais, leis mais rígidas contra agressores ou mesmo regras claras e punitivas contra empresas que dessem salários mais altos para homens, ao invés de igualar o teto.

Atualmente, o movimento feminista perdeu adeptos e tomou alguns rumos questionáveis, que ferem inclusive, os ideais iniciais do grupo, banalizando muitas vezes a forma como a sociedade as vê.

É importante que o feminismo volte a suas origens e realmente busque, como respeito a todos os outros grupos independente de quais sejam eles, as melhores formas de trazer qualidade de vida a todas as mulheres do mundo.

Mulheres, muito a frente do seu tempo

Muitos homens não acompanharam bem a evolução feminina ao longo das décadas, tendo até hoje, muitas atitudes consideradas machistas. A bem verdade é que no âmbito casal, cada um tem um relacionamento diferente, sendo que alguns mais liberais e outros mais rígidos, porém tudo feito entre acordo ou quando não, tendo problemas de relacionamento conjugal, que muitas vezes trás problemas para toda família.

Homens e mulheres são biologicamente diferentes e no caso das mulheres, elas aprenderam a lidar com essas diferenças melhor do que os homens. Atualmente, muitas famílias são chefiadas por mulheres, tanto no sentido comportamental quanto financeiro, pois em muitos casos, são elas que trabalham para prover o lar.

Nesses casos, é quase unânime a falta do homem e não apenas como provedor mas como pai e companheiro. Casos assim, mostram que é muito importante que as mulheres tenham direitos reconhecidos e estabelecidos para que possam continuar a criação de seus filhos e a busca por mais conhecimento e qualidade de vida.

Pontos favoráveis para todas as mulheres, em relação aos homens

Facilidade de aprendizado

Mulheres são mais atentas, organizadas e tendem a ser alunas melhores que os homens. Um estudo feito nas Universidades de Columbia e Georgia nos Estados Unidos, mostrou que elas possuem mais facilidade de aprendizado e são muito mais determinadas aprender, mesmo quando não estão entendendo um assunto.

Mais cuidadosas

A Universidade Carnegie Mellon nos Estados Unidos, fez uma pesquisa e constatou que mulheres são mais observadoras e cuidadosas do que os homens. Enquanto eles tem até 77% de chances de morrer em um acidente de carro por exemplo, elas são mais prudentes e olham para todos os lados, evitam exceder os limites de velocidade e nunca se esquecem do cinto de seguranças.

Menos orgulhosas e mais humildes

Mulheres não veem problema em se humilhar e pedir desculpas quando erram ou se precisam de ajuda, pedem auxilio. Um estudo mostrou também que elas lidam melhor com o emocional, principalmente quando precisam desabafar. Enquanto 53% de mulheres reconhecem que precisam de ajuda, apenas 29% dos homens fazem isso.

Mais imunes a doenças

Apesar de muitas doenças atingirem mais mulheres do que homens, em geral temos uma imunidade muito mais fortificada do que dos homens. Pesquisas mostram que por conta do estrogênio, hormônio exclusivamente feminino, nosso corpo combate as infecções com mais facilidade. Por isso também tendemos a viver mais do que os homens, chegando a ter uma expectativa de até 10 anos a mais do que eles.

Melhores empreendedoras

Na hora de abrir um negócio, as mulheres são melhores gestoras do que os homens. Segundo pesquisas de dois professores americanos, apesar de o número de mulheres como investidoras e empreendedoras ser menor do que o de homens, elas superam em até 1,4% ao ano em investimentos, apenas por conta de sua cautela na hora de investir e principalmente por analisar a longo prazo, o quanto o negócio irá render.

Mulheres independentes ainda precisam de homens?

Mesmo que as mulheres tenham conquistado um grande espaço em praticamente todos os âmbitos da sociedade e de suas vidas, ainda assim elas precisam de amor, respeito, carinho, atenção, afeto e, ainda que muitas possam negar, ainda precisam dos homens, seja direto ou indiretamente.

É preciso que haja um acordo, um relacionamento forte de respeito mútuo e reciprocidade para que traumas do passado sejam esquecidos e não tenhamos mais casos de violência entre os dois lados. Viver independente porém em paz, união e amor.

Compartilhe conosco sua opinião sobre o tema deste artigo e fique ligado em nossas próximas publicações.

Eu, Catarina, sempre indico aos meus leitores o livro de um grande amigo meu, chamado Nicholas Johnson. Caso você não o conheça, você logo saberá mais sobre ele. Como a maioria dos temas que escrevo se trata da Lei da Atração, o livro também entra nesse tema.

Nicholas escreveu um livro muito completo, com exercícios e conhecimentos poderosos e nunca antes mostrados sobre a poderosa Lei da Atração e os benefícios que ela trás para nossas vidas.

Como eu sempre indico para meus leitores, dessa vez não farei diferente. Caso queira começar a praticar tudo que ele ensina e aprender a fazer o universo conspirar a seu favor, responda este rápido quiz, dessa forma eu saberei se você realmente quer descobrir os ensinamentos poderosos de Nicholas Johnson.

O que achou do artigo?