Guia completo da Dieta Paleolítica

O que é?

A dieta paleolítica consiste na ingestão de alimentos consumidos no tempo das cavernas, época em que os seres humanos se alimentavam basicamente de carne, frutos e sementes.

Os adeptos dessa dieta defendem que o organismo humano foi, originariamente, desenvolvido para ingerir esses alimentos, os quais se consumidos de forma correta, são incapazes de causar qualquer tipo de comprometimento às funções orgânicas tais como diabetes, distúrbios metabólicos, problemas do coração, obesidade, etc, males que são, em geral, uma resposta do corpo ao excesso de carboidrato, açúcar e alimentos processados presentes na maioria dos alimentos consumidos nos tempos modernos.

Como ajuda a emagrecer

A diminuição do consumo de carboidratos imposto pela dieta induz o emagrecimento. Carboidratos como pães, massas e arroz são digeridos no estômago rapidamente elevando os níveis de glicose na corrente sanguínea e a glicose em excesso pode ser metabolizada e transformada em gordura, que se acumula no tecido adiposo.

Além disso, a dieta paleolítica propõe a eliminação do consumo de alimentos industrializados.  A ingestão desses alimentos promove o aumento de peso bem como o aparecimento de inflamações, distúrbios endócrinos e metabólicos.

Como funciona

Carne à vontade: A dieta incentiva o alto consumo de carne porque ela é fonte de proteínas e nutrientes de extrema importância para o organismo, fazendo parte da composição muscular e auxiliando na recuperação dos tecidos, além de ser matéria- prima para produção de hormônios, enzima, anticorpo e outro agente metabólico. Também é na carne que se concentram as maiores quantidades de aminoácidos essenciais, que não são produzidos naturalmente em nosso organismo.

Mas cuidado!  Proteínas em excesso podem causar efeitos colaterais, como a retirada do cálcio dos ossos, a acidificação do sangue e a sobrecarga nos rins. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que esse consumo seja de no máximo 30% das nossas calorias ingeridas diariamente.

Abusar dos vegetais e frutas: Já que é terminantemente proibido consumir carboidratos artificiais provenientes de alimentos industrializados, a energia de que o corpo precisa deverá ser extraída das frutas e verduras. Mas fique de olho para não se exceder. A OMS recomenda o consumo de no mínimo cinco porções (400g) de ambos os itens ao dia.

Gordura não é problema: As gorduras mais importantes são as insaturadas, que atuam diminuindo o colesterol LD, considerado ruins quando em grande quantidade, pois eleva as taxas de HDL, conhecido como colesterol bom.

Jejuar de vez em quando: Aqui temos o ponto mais polêmico da dieta, a qual prega o jejum inspirada na dificuldade que os homens do paleolítico tinham de encontrar comida todos os dias. Então os adeptos do movimento paleo recomendam ficar de vez em quando de 16 a 24 horas sem ingerir nenhum alimento.

Porém, para o corpo se manter funcionando bem, o ideal é mantermos índices estáveis de glicose. O jejum prolongado pode causar hipoglicemia, dificuldade de concentração, perda de massa muscular, entre outros males.

Então, para evitar esses sintomas, o ideal é adotar a dieta, mas sem radicalizar, principalmente porque, ao contrário do tempo das cavernas, a maioria das atividades praticadas na vida moderna requer atenção e serenidade e a não ingestão regular de alimentos pode atrapalhar o desempenho dessas obrigações. Assim, antes de mergulhar de cabeça, o bom é que você primeiro teste a dieta para ver se consegue se adaptar a ela.

Como testar a dieta

1º passo– Na primeira semana elimine

  • Açúcar refinado
  • Farinha de trigo
  • Óleos vegetais poliinsaturados(óleo de soja, óleo de girassol, óleo de canola, margarina)

Retirando esses três elementos, já será possível ver a diferença na balança, mas se estiver difícil cortar, tente substituir. Troque tudo que leva farinha de trigo por alimentos sem glúten. Substitua os óleos vegetais por azeite, manteiga, óleo de coco ou dendê.

Já quanto ao açúcar refinado, o ideal é mesmo cortá-lo, mas se não conseguir eliminá-lo de vez da sua vida, use mel, melado ou açúcar de coco no lugar, tomando sempre o cuidado de consumir o mínimo possível.

Se bater aquela vontade irresistível de comer doce, coma uma fruta bem doce como manga ou mamão, abacaxi.

2º passo: Agora que você já passou pela fase 1 da dieta e  sentiu alguns dos seus benefícios na pele, chegou a hora de acelerar o processo e passar a obter ainda mais resultados.

Essa etapa deverá durar pelo menos 10 dias.

Aqui você deverá eliminar da sua alimentação:

  • Arroz e feijão
  • Leite e laticínios(exceto manteiga e creme de leite)
  • Adoçantes

Achou difícil viver sem tudo isso? É menos complicado do que você imagina. O segredo está em substituir e adicionar.

Aqui você vai trocar o arroz com feijão por batata-doce, mandioquinha ou inhame.Também pode trocar o leite por leite de coco, amêndoas ou castanhas.

Troque o adoçante por stévia ou xylitol, ou elimine-o por completo da sua vida.

E agora é hora de começar a consumir mais salada e verduras, se ainda não estava fazendo isso.

Comece a colocar mais no seu prato todo tipo de folhas verdes, repolho, couve-flor, cenoura e beterraba. Eles vão compensar a perda do arroz e feijão e ainda vão enriquecer sua dieta com muitos nutrientes. muitos nutrientes à sua dieta.

3º passo: Aqui você já deve estar sentindo uma tremenda diferença no corpo, não é mesmo?

Essa fase não traz nada de novo. Ela inclui apenas alguns ajustes que irão otimizar seus resultados com a dieta. A dieta paleolítica é densa e rica em nutrientes, mas você ainda pode se beneficiar de alguns suplementos.

1) Suplemente

Converse com um nutricionista e considere suplementar com ômega 3 (óleo de peixe), vitamina D e probióticos.

2) Durma mais e melhor

Tecnicamente “dormir mais” não tem nada a ver com dieta e alimentação, mas o sono saudável é uma questão muito relevante para o movimento paleolítico, além de ser fundamental para manter regulados seus níveis hormonais e também por ajudar no emagrecimento.

Procure dormir 8 horas por dia. Durma em um quarto bem escuro, sem nenhuma fonte de luz nele. Seu corpo vai agradecer.

One Response

  1. Sol 26 de março de 2017

O que achou do artigo?