Emoções do subconsciente – Romantismo

O relacionamento romântico é a união de duas pessoas. Cada pessoa precisa estar em equilíbrio consigo mesma para haver o romantismo verdadeiro.

O primeiro relacionamento romântico que precisamos ter é com nós mesmos. Isto é fato verdadeiro, pois é o nosso próprio ser que se apresenta para nosso parceiro ou parceira.

E é partindo no nosso próprio ser, esteja ele em pleno equilíbrio ou não, que iremos nos relacionar com outra pessoa e iremos procurar encontrar com ela vínculos afetivos.

Se estamos aborrecidos, por exemplo, carentes ou com baixa auto-estima, não tem importância o quanto o nosso parceiro ou parceira seja romântico ou dedicado.

Nós não nos sentiremos amados. Irá parecer para nós que falta amor e dedicação no relacionamento, quando, na verdade, somos realmente valorizados e amados pelo nosso parceiro.

É em virtude disso, que é tão importante estarmos conscientes das condições conscientes e subconscientes em que estamos e das áreas e emoções que precisamos trabalhar em nós, para então poder nos dedicar a outra pessoa.

Embora seja real que, através dos relacionamentos, nós podemos nos analisar de uma forma mais positiva, se não exercitarmos o nosso próprio consciente e nossas questões pessoais, acabaremos insatisfeitos e receptíveis a todo o bem que recebemos, indiferente da pessoa com quem nos encontramos no momento.

Os padrões em que duas pessoas estabelecem uma parceria são infinitas, por este motivo, vou destacar os mais comuns, trazendo algumas descrições e informações sobre eles.

Talvez, alguns de nós mesmos estejamos vivenciando situações aparentemente opostas, nos sentindo vítima e carcereiro ao mesmo tempo, enquanto somos escravos das nossas próprias fraquezas.

Amor incondicional e compromisso

Vamos deixar uma coisa bem clara: só o amor incondicional já é amor. Qualquer coisa inferior ou diferente disso é apenas uma fração de amor distorcido.

O desejo de amor e romantismo incondicional pode levar-nos, inicialmente, a alcançar apenas uma pequena parte do que realmente estamos buscando, entretanto, estamos no rumo do caminho que nos levará a viver à luz do verdadeiro romantismo.

A verdadeira natureza do romantismo é aquela que está em seu próprio ser e jamais deixará de ser incondicional.

Isso não significa que não possuímos amor ou romantismo, pois é mais do que certo que amamos. Entretanto, a grande maioria de nós, ama de forma incompleta.

Sem fazer julgamentos, estamos aqui justamente para desenvolver esta capacidade de realizar e concretizar o romantismo de uma forma natural e amar de forma incondicional.

Como tudo isso é um processo, faz-se necessário que deixamos os nossos relacionamento nos ajudem a desenvolver os padrões mais superiores e internos que buscamos, trabalhando incansavelmente nossas emoções para finalmente aprendermos a expressar o romantismo e o amor verdadeiro.

Amor incondicional por si próprio

Como já mencionado, o amor incondicional precisa começar dentro de nós. Não conseguimos demonstrar algo verdadeiramente se ainda não conseguimos nos sintonizar, incorporar e ativar isso dentro de cada um de nós.

Por isso, peço que reflita sobre o seu nível e qualidade do amor que sente por si próprio. Muitos, infelizmente, não possuem amor próprio e sente-se muito mais pronto para dar amor aos outros do que a si mesmo.

Porém se não cultivar o romantismo e amor dentro de si mesmo, descobrirá que é incapaz de continuar dando algo que não se permite receber.

É fundamental que tenhamos a capacidade de aprendermos a desenvolver o romantismo dentro de nós mesmo e para conosco.

Alguns de nós precisam enfrentar inúmeras barreiras negativas interiores para conseguir alcançar este estágio no subconsciente, devido a problemas externos como ambiente familiar, escolar, no trabalho e no seu círculo de amizades.

Em se tratando do amor incondicional, primeiramente precisamos fazer o melhor para nós mesmos para posteriormente levar para o relacionamento.

O ideal mesmo seria que plantássemos e mantivéssemos uma atitude de romantismo incondicional em todos os nossos relacionamentos, mas isso só é possível quando conseguimos em relação à nós mesmos.

Nunca use o romantismo como uma arma

É muito comum que pessoas utilizem a demonstração do romantismo como instrumento de manipulação. Tal atitude vai desde a manipulação sutil até a negação do amor, expressando raiva, podendo chegar inclusive à brigas em situações mais extremas.

Nenhuma atitude de violência pode ser tolerada. Nem a emocional e muito menos a física. Quando se usa do romantismo como ferramenta de manipulação, é sinal de que estamos distorcendo o real sentido do romantismo, fazendo dele uma arma, machucando aquele que abriu o seu sentimento para nós.

Nestes casos, ou a pessoa muda completamente a sua forma de amar ou coloca um fim ao relacionamento. Jamais use o seu parceiro como instrumento para descarregar a sua raiva ou seja o sentimento negativo que esteja no seu interior.

Procure trabalhar no seu consciente, eliminando estes pensamentos e substituindo por emoções positivas e agradáveis.

Precisamos também tomar cuidado para não negarmos situações que não estão ao nosso agrado em nosso relacionamento.

Não podemos usar do romantismo como manipulação para fazer com que o nosso parceiro chegue aonde queremos que ele esteja.

O mais provável é que o nosso parceiro ou parceira não perceba o nosso comportamento, nestes casos, e acabe ficando confuso, magoado e até com acessos de raiva. Faça com que a comunicação entre o casal seja sempre clara, aberta e direta.

É claro que surgem alguns problemas dentro de um relacionamento, principalmente quando usamos do romantismo na sua essência, nós nos preocupamos com o bem estar do próximo.

Isso é comum e até mesmo bem vindo, pois é através das dificuldades que conseguimos crescer e aprender. Por isso a importância do seu próprio amadurecimento interior, para que, quando ocorram problemas no relacionamento você esteja saudavelmente bem consigo mesmo para conseguir resolver os problemas exteriores. Procure sempre a comunicação franca e direta com seu parceiro ou parceira.

Lembre-se de que estamos em processo de amadurecimento interior do nosso subconsciente, buscando sem atrair para nós tudo aquilo que desejamos através da Lei da Atração.

Portanto utilize do romantismo incondicional e do perdão quando a pessoa for “você”. Para isso, precisamos nos livrar de sentimentos como vergonha e culpa e nos colocar à disposição para atrairmos sentimentos opostos a estes para conseguirmos nos perdoar.

Cabe a cada um de nós vivermos com alegria, liberdade e livres da culpa. Portanto, perdoe sempre a si mesmo e viva na paz do romantismo incondicional primeiramente consigo mesmo, para poder transmitir este sentimento para o seu companheiro ou companheira, pois é assim que você viverá com liberdade e harmonia.

Eu, Catarina, sempre indico aos meus leitores o livro de um grande amigo meu, chamado Nicholas Johnson. Caso você não o conheça, você logo saberá mais sobre ele.

Nicholas escreveu um livro muito completo, com exercícios e conhecimentos poderosos e nunca antes mostrados sobre a poderosa Lei da Atração e os benefícios que ela trás para nossas vidas.

Como eu sempre indico para meus leitores, dessa vez não farei diferente. Caso queira começar a praticar tudo que ele ensina e aprender a fazer o universo conspirar a seu favor, responda este rápido quiz, dessa forma eu saberei se você realmente quer descobrir os ensinamentos poderosos de Nicholas Johnson.

▶ Clicando aqui você responde o quiz que Nicholas criou e passa a conhecê-lo melhor também.

O que achou do artigo?