Emoções do subconsciente – Desejo de Vingança

O desejo de vingança parece ser tão comum que parece possuir até gosto e cheiro. Quem possui, chega a sentir um desejo de justiça. É tão antiga que está escrita em um dos conjuntos de leis mais antigos da humanidade “olho por olho, dente por dente” em 1700 a.C.

Pode ser apresentada de forma natural por alguém que sofreu bullying na escola e resolveu matar seus colegas em virtude disso, com a desculpa de estar se vingando de todas as ofensas recebidas na sua vida. Pode também ser representada em sentimento coletivo como a comemoração do povo norte-americano após a morte de Osama Bin Laden, que foi o mentor do atentado de 11 de setembro.

Apesar de ser um sentimento de comum ao ser humano, poucos admitem que “dão o troco” de propósito em alguém. Cultivar este tipo de sentimento pode gerar grandes problemas emocionais e até físicos, conhecidos como psicossomáticos.

Possuir o desejo de vingança é um tipo de comportamento típico de muitos que vivem na sociedade. Normalmente esta vontade provém de uma frustração ou agressão física, amorosa, sentimental ou profissional que barra qualquer tipo de outro desejo.

As atitudes realizadas alimentando este desejo podem acarretar desde pequenas maldades em até grandes crimes e barbáries. Felizmente, nem todos que sofrem deste sentimento saem ultrapassando os limites da sua imaginação e distribuindo ódio por todos os lados.

Porém muitos dos que ultrapassam o seu limite consciente admitem que o prazer de dar o troco é gratificante. O desejo de vingança atua em uma parte interna do seu inconsciente que pode proporcionar uma sensação de satisfação da recompensa.

O desejo de vingança está associado ao mesmo instinto de quando um assassino se satisfaz com sua presa, ou ao beijar a sua pessoa amada. É por esse motivo que ela traz uma aparente sensação de bem estar e de missão cumprida.

As formas de vingança são as mais variadas. Alguns possuem o hábito de dizer “devolvo em dobro o que fazem para mim”. Este tipo de atitude e pensamento possui um destino muito claro, o de ter a palavra final.

Este tipo de pensamento fica muito bem claro para aquelas pessoas que não possuem a capacidade de raciocinar em relação à algo ou alguém e resolver de forma simples e objetiva os seus conflitos.

Para alguns o pensamento pode ser de que se deixar essa história seguir adiante sem “tirar a limpo”, este sentimento se acumula, e pode se transformar em raiva com o objetivo de “dar o troco” em uma situação oportuna.

Algumas pessoas que acabam sofrendo de traição amorosa e acabam por descobrir a traição, possuem um desejo fulminante de trair também. E normalmente faz isso. É incrível como este tipo de pessoa expressa um sentimento de realização e de prazer ao contar para outra pessoa íntima o fato ocorrido.

Vingança pela internet

Em se tratando de desejo de vingança, nenhuma ferramenta vem sendo mais utilizada do que a internet, principalmente pelas facilidades do seu uso e o grande crescimento exponencial. O alcance da mensagem que se tem a enviar e o alcance desta são enormes.

Em diversos sites de relacionamento é possível conferir comunidades voltadas somente ao desejo da vingança. Realizando uma pesquisa, descobri uma que possui mais de 226 mil seguidores, isso mesmo. Em alguns casos é possível até para trocar informações e estratégias de como se vingar de alguém, incluindo muitos relatos.

A sua grande maioria incentivada por fatos leves, como brigas pequenas entre parentes, falsidade entre amigos ou colegas de trabalho egoístas.

Mas se nesta rota encontram-se bandidos e mocinhos, a saída é canalizá-lo para o bem.

Considerando uma estabilidade emocional, a passagem por esta “raiva do mundo ou de todos” pode possuir um encaminhamento saudável e se transformar em superação, se for bem trabalhada interiormente e de forma consciente.

Como vimos, é a raiva o fator inicial, o combustível da vingança. Pode-se associar que quanto mais estressada for uma pessoa, maior desejo de vingança ela pode possuir.

Na grande maioria dos casos, situações de estresse e fúrias de raiva podem acarretar em agressão. A pessoa estressada é aquela que não consegue controlar o seu interior e a sua raiva inicial e vive criando problemas e conflitos que acabam gerando em mais motivos para que as pessoas queiram se vingar.

Apesar de comum, não deve-se levar este tipo de comportamento como algo que deva estar presente em um estado de avanço e amadurecimento de nossa sociedade.

Quem planta e cultiva este tipo de sentimento de vingança vive em estado de estresse constante, e não consegue desenvolver uma capacidade de perdoar e, principalmente, de se colocar no lugar do outro. Este tipo de reação às adversidades acaba influenciando diretamente no desenvolvimento da personalidade de uma pessoa.

Desenvolver um sentimento de vingança pode causar graves danos físicos. A nossa imaginação e crença popular possui o ditado que diz que “a vingança corrói por dentro”. Com isso, quando concentramos energias no desejo de vingança, de castigar outra pessoa, este desejo passa a ocupar o centro de nossas energias, levando sensações de amargura e injustiça.

A soma de todos estes desprazeres pode levar ao estresse orgânico. Existem diversas pesquisas que comprovam que muitas doenças como gastrite, úlcera, perturbações do sono e da criatividade são alterados quando alimentamos este desejo interior.

Em contrapartida, nem sempre o desejo vingativo é relacionado diretamente à um transtorno de personalidade. Este sentimento só pode virar uma doença quando alguns fatores em comum do funcionamento emocional ou psicológico normal de alguém são alterados significativamente e se tornam predominantes sobre os outros.

Vou deixar algumas dicas de como conseguir o seu controle sobre este tipo de desejo:

  • Busque no seu autoconhecimento. O melhor é sempre buscar se conhecer para desenvolver habilidades para controlar as suas emoções.
  • Aprenda com os erros. Mas aprenda! E não os repita!
  • Melhore a sua autoestima. Pessoas que consegue o dom de se amar não veem a necessidade de ficar se defendendo em todos os momentos.
  • Não nutri rancores ou situações mal interpretadas. Pergunte sempre a opinião do outro caso tenha alguma dúvida sobre o seu comportamento. Isso ajuda e muito.
  • Ao invés de apedrejar, pergunte. Provavelmente a pessoa que o ofendeu tem algum motivo para ter tido esta intenção. Ao questionar o outro de forma coerente e sincera você não irá gerar raiva no outro e pode quebrar o círculo vicioso de “dar o troco”.
  • Lembre-se! A melhor vingança mesmo é estar de bem consigo.

Eu, Catarina, sempre indico aos meus leitores o livro de um grande amigo meu, chamado Nicholas Johnson. Caso você não o conheça, você logo saberá mais sobre ele. Como a maioria dos temas que escrevo se trata da Lei da Atração, o livro também entra nesse tema.

Nicholas escreveu um livro muito completo, com exercícios e conhecimentos poderosos e nunca antes mostrados sobre a poderosa Lei da Atração e os benefícios que ela trás para nossas vidas.

Como eu sempre indico para meus leitores, dessa vez não farei diferente. Caso queira começar a praticar tudo que ele ensina e aprender a fazer o universo conspirar a seu favor, responda este rápido quiz, dessa forma eu saberei se você realmente quer descobrir os ensinamentos poderosos de Nicholas Johnson.

▶ Aqui está o quiz de Nicholas J. para as pessoas que querem conhecer seu livro.

O que achou do artigo?