Aprender a coexistir

Neste momento, aqui e agora, seus pensamentos e sentimentos estão moldando sua realidade, e suas decisões e atitudes plantam as sementes do que você colherá futuramente, conforme a lei de causa e efeito. Soa um pouco assustador pensar que o mesmo se dá com as outras 7 bilhões de pessoas do planeta? Pois é.

“Imagine uma teia de aranha multidimensional na alvorada, coberta com gotas de orvalho. Cada gota de orvalho contém o reflexo de todas as outras gotas de orvalho. E, em cada gota refletida, os reflexos de todas as outras, assim por diante até o infinito. Esse é o conceito budista do universo em uma imagem.” – Alan Watts

A Teia de Indra é um conceito budista que serve para explicar que nada é separado e independente. De acordo com o conceito, todas as coisas são interdependentes, e tudo e todos estão ligados por esta teia cujas linhas são formadas por correntes de causas e efeitos.

Isto quer dizer que o universo, em sua multiplicidade de possibilidades e experiências, traz a cada um experiências e situações conforme as relações estabelecidas nesta grande teia da qual fazemos parte. Nada ocorre sem uma causa e somos todos, o tempo inteiro, cocriadores de todo este processo.

“O que somos hoje é consequência de nossos pensamentos de ontem.
Nossos pensamentos de hoje estão construindo nossa vida de amanhã.” – Ensinamentos de Buda

Apesar de estarmos o tempo todo participando neste processo de cocriação, podemos faze-lo de forma consciente ou inconsciente. Fazemos de forma consciente quando seus pensamentos e sentimentos se ocupam de tudo o que você deseja e ama, quando você fala sobre o que você ama e concentra toda a sua atenção naquilo que gostaria de aumentar.

Cocriamos de forma inconsciente quando nos deixamos levar por impulsos e pelas situações, fazendo com que as circunstâncias ditem nosso estado de espírito, ao invés de conduzirmos cuidadosamente nossa mente e nossa capacidade criadora.

“A mente é como as ondas, inquieta, difícil de guardar e conter.
O sábio dirige sua mente como o arqueiro dirige sua flecha” – Ensinamentos de Buda sobre a Mente

O processo de criação está sempre acontecendo, quer você queira ou não. Por isso, se você não está empenhado em mentalizar e criar o que quer, estará mentalizando e criando o que não quer, levado pra lá e pra cá pela maré das circunstâncias e situações. Pensamento é energia, e energia se manifesta por meio de ondas. Por isso, para explicar melhor como ocorre este processo, podemos abordá-lo através da Música e das Ondas Sonoras:

Se você entoar, com a voz, um tom que corresponda ao tom de alguma das cordas de um violão, esta corda vibrará junto com sua voz no momento em que a onda sonora a alcançar, mas, se você entoar um tom diferente, ela não vibrará. Se várias cordas estiverem afinadas na mesma frequência da sua voz, todas elas vibrarão juntas, em uníssono, com a sua voz.

A analogia que podemos fazer com isso é que, quando você nutre um determinado estado de espírito, entrará em sintonia e comunhão com as pessoas, lugares, experiências e situações que partilham do mesmo estado vibratório. Assim como nas cordas, a afinidade fará com que vocês vibrem juntos. A Lei Cósmica é uma só para todos – você se torna aquilo em que mais pensa, mas também atrai para si aquilo em que mais pensa.

Infelizmente, enquanto muitas pessoas não se esforçam para disciplinar e transmutar a própria mente, pensamentos de ira, inveja e orgulho se alastram e contaminam os que se deixam arrastar pelas forças inferiores, manifestando experiências destrutivas. Precisamos cuidar de nosso interior, e é por isso que O Cristo ensina:

“O que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem.” – Mateus 15:18-20

Apesar de não podermos interferir diretamente no processo evolutivo de outras pessoas, ou na forma como conduzem suas mentes, sempre nos será dada a oportunidade de nos aperfeiçoarmos e trabalharmos na direção de nossa própria evolução espiritual. Quando você procura ser feliz, estar ao seu lado é uma alegria e você se torna um exemplo maravilhoso para todos ao seu redor.

Por isso, apesar da Lei Cósmica fazer com que coexistam as mais variadas realidades de sofrimento e alegria, da falta à abundância, sempre nos é permitido elevar nosso próprio estado vibratório rumo à realidade que nossa alma anseia, meio à multiplicidade de coexistências paralelas oferecidas no cardápio da Lei Cósmica, cujo pedido – lembremos sempre – é determinado por nossos pensamentos e sentimentos.

Que as rosas floresçam em vossa cruz!*

One Response

  1. Vitor Pinto 20 de outubro de 2018

O que achou do artigo?