Aprendendo a lidar com as emoções

Minhas filhotas de 4 patas foram embora hoje, e depois de um pouco mais de 1 mês com elas aqui em casa, hoje senti um vazio como há muito tempo não sentia.

O dia está chuvoso, o que acaba por deixar o dia ainda mais sensível, melancólico. Sinto falta delas grudadas em mim o tempo todo, de conversar, dar e receber carinho. Ficou um vazio estranho por aqui.

E por conta desse vazio, por conta dessas emoções acabei descontando em alguém que não tem nada a ver com a história, aliás tem, porque nesse bolo de saudades que estou sentindo, já estou sentindo saudade dela também, da minha mãe. Meus pais vieram pegar as gatas este final de semana, então estavam por aqui, e eu estava curtindo a companhia deles também.

Minha mãe tem uma força absurda, e tudo que ela fecha é difícil de abrir, e assim foi com o azeite. E aí, com dor, vazio, sensível, triste mandei uma mensagem “malcriada” para minha mãe por conta do azeite, que toda humilde respondeu pedindo desculpas. E aí percebi o quão idiota eu fui, e que se fosse num “dia normal”, mandaria a mensagem com carinhas chorando de rir, e não chorando de tristeza como mandei hoje.

Ia deixar para lá, mas não achei justo… Ela não tem que “pagar o pato” pelo fato de eu não saber lidar com minhas emoções. Pelo fato de ao invés de dizer: – “Mãe já to com saudade de vocês, a casa ficou num vazio, to aqui toda sensível”, eu meio que chamei atenção dela por conta de um azeite. Então logo após perceber o que tinha acabado de fazer, resolvi mandar uma nova mensagem dizendo o que realmente estou sentindo, e mandei uma outra mensagem pedindo desculpas e explicando que fiz isso porque estou na verdade com saudades, e por isso mais “dramática”.

E parei para pensar quanta vezes nessa vida eu não soube lidar com minhas emoções. Não soube externar meus sentimentos, e por conta disso acabei machucando, dando “patadas”, e sendo “malcriada” com quem não tinha nada a ver com a história?

E o engraçado que os que mais sofrem com esses ataques são as pessoas mais próximas, as que mais amamos, e que sabemos que nos amam. Talvez seja por isso que acaba sobrando para elas, porque como sabemos do seu amor, sabemos que vão continuar nos amando independente de qualquer coisa, então “tá tranquilo”.

Só que não está… Não é justo, não é certo! E uma hora, dependendo da pessoa e da relação que temos com ela, a pessoa cansa, e as vezes pode ser tarde. E aí não tem arrependimento que conserte.

Sendo que a questão o tempo todo era nossa, os sentimentos mal resolvidos eram nossos, as emoções eram nossas, que não soubemos lidar e descontamos nos outros. Quantas vezes não fazemos isso?

Espero que essa tenha sido minha última, e percebo que pelo menos hoje consigo ter consciência disso, porque antigamente eu não tinha… e se fosse antes teria continuado na minha novela “dramalhona”.

Perceber as nossas emoções, nossos momentos, e aceitar estar vulnerável… Se permitir ter medos, dúvidas, tristezas, raiva, etc., ajuda a gente a lidar com a gente e com os outros. E são nossas emoções, então somos nós que temos que olhar para elas e saber como lidar com isso, sem envolver outros, sem descontar em ninguém.

Parar de machucar, quando nós que estamos machucados. Principalmente a quem nos ama, quem está por perto, quem está junto. Para depois não ser tarde de mais…

E não ter receio de dizer que sente saudades, que sente amor, que quer estar junto. Isso é lindo, isso é saudável, isso é amor! E o mundo definitivamente está precisando de mais amor.

O que achou do artigo?