7 coisas que aprendi no intercâmbio

E aí pessoas bonitas!

Como alguns de vocês sabem, vivi, estudei e trabalhei durante 15 meses na Austrália, e durante esse tempo viajei por outros 12 países. Foi uma experiência transformadora e hoje estou aqui para compartilhar com vocês algumas coisas que aprendi e descobri, e que acredito que possam agregar na vida de vocês de alguma forma. Vamos lá?

1- Você pode viajar muito gastando pouco

Fato. Existem várias formas de economizar muito dinheiro em viagens, desde que você tenha um planejamento e não tenha muitas “frescuras”. Procure viajar sempre nas baixas temporadas de cada destino, o valor normalmente cai pela metade.

Procure se hospedar em hostels, são hotéis onde você divide o quarto com outros viajantes (normalmente pessoas jovens de todo o mundo), uma ótima forma de encontrar novos amigos, pegar dicas e conhecer novas culturas. Outra opção é o AirBnb, onde as pessoas alugam os quartos de suas casas para os viajantes.

Compre as passagens de avião com antecedência, se tiver cartão de crédito utilize as milhas! Fuja dos restaurantes turísticos, vá em buscas de restaurantes locais, normalmente custam 1/3 do valor e você vai descobrir a comida local de verdade! Use Uber e se possível o transporte público. Certa vez em Bangkok (Tailândia) precisávamos ir da rodoviária ao nosso hostel.

Um local pediu 200 bahts (20 reais) para nos levar. Andamos meia quadra, havia um ponto de ônibus com vários ônibus que passavam em frente ao nosso hostel. Custo: 2 bahts (20 centavos).

Mas Isa, 20 reais não é caro! Arrááá! Aqui vem a dica mais valiosa de todas! O câmbio entre a nossa moeda e a moeda tailandesa nos favorece muito. 20 reais é o custo de uma diária em um hostel com café da manhã! Assim, uma forma de viajar gastando pouco é procurar por países que possuem moeda de valor baixo, como a maioria dos países do Sudeste Asiático, por exemplo.

Vou dar um exemplo. Procurei na Internet e uma viagem de 8 dias para Macéio com todas as despesas inclusas fica em torno de 4500 reais. Agora vamos fazer o orçamento de uma viagem para Bangkok, também de 8 dias. O maior gasto será com passagem, em torno de 3000 reais. Com 1500 reais para 8 dias na Tailândia, você é rei. Se você levar 1000 reais já é suficiente.

Ah, lembre-se sempre de pechinchar!

Então programe-se, junte dinheiro e vá viajar!

Obs: adicionei a foto abaixo para despertar a vontade de ir em vocês!

Koh Phi Phi Island, Tailândia.

Koh Phi Phi Island, Tailândia.

2- Corrupção existe em todo lugar

Temos uma visão de que o Brasil possui uma política extremamente corrupta. Isso é verdade em muitos pontos, porém essa característica não se restringe somente ao nosso país. Dentre os países que viajei, a maioria da população tinha algo a reclamar do seu governo, ou haviam notícias de escândalos políticos.

Os únicos países onde não vi tais coisas acontecendo foram os Emirados Árabes e a Nova Zelândia (talvez não tenha ficado tempo suficiente nesses países para presenciar tal fato). Um lugar em especial me chamou a atenção com relação ao monopólio de poder e indiferença com as necessidades da população: o Vietnã.

O Vietnã é considerado um país socialista, porém tudo funciona como o regime capitalista. O regime socialista propõe igualdade de oportunidades e igual distribuição de bens entre os cidadãos, mas no Vietnã o regime é usado para que não haja eleições e para que grande parte dos ganhos dos trabalhadores seja abocanhado pelo governo.

3- Ninguém é melhor que ninguém

Não sei vocês, mas quando era mais jovem tinha a visão de que asiáticos eram sempre inteligentes. Que africanos eram em sua maioria negros e pobres. Que em países de primeiro mundo não existiam pessoas morando na rua. Erro meu. Viajando descobri que as pessoas estrangeiras, são como nós.

Existem pessoas interessadas e pessoas que não estão nem aí. Pessoas ricas, pessoas de classe média e pessoas que vivem na rua. Que assim como no Brasil, existem pessoas de todas as cores, raças e classes sociais. Ninguém é melhor do que ninguém só porque nasceu ou vive em um lugar diferente. Somos todos humanos.

4- Arroz com feijão? Isso não combina!

Nessas andanças comi arroz com tudo o que você imaginar: arroz com amendoim (Singapura), arroz com manga (Tailândia), arroz na sopa de café da manhã (Vietnã)… Mas e o feijão? Nunca nem vi. Na Austrália existia feijão em lata para vender e só. E não era comido com arroz. Digo isso para ilustrar a diferença de culturas e de opções de combinação de alimentos que existem.

Muitas vezes estamos condicionados ao nosso arroz e feijão do dia-a-dia e nos fechamos para outras combinações e comidas diferentes que podem dar muito certo! Por exemplo, a guaca-mole. Guaca-mole é uma comida mexicana a base de abacate, cebola, tomate, pimenta e limão.

Muito comum no sanduíche, saladas e torradas naquele lado do mundo. Você pode pensar: Eca! Abacate salgado? Agora adivinha o que os australianos disseram quando eu disse que aqui a gente come abacate doce! “Eeew! That is disgusting.” (Eeew! Isso é nojento.). Então meu conselho é, prove de tudo, mesmo que algumas coisas pareçam estranhas, você vai se surpreender!

5 – Sua felicidade depende de você, não do lugar que você está

Antes de viajar estava em uma época triste da minha vida: fazia faculdade em uma cidade que odiava, longe dos meus pais e namorado, e morava com pessoas que na época esgotavam a minha paciência. Pensava que o problema era o ambiente.

Que a minha salvação, chegaria e todos meus problemas se resolveriam quando chegasse na Austrália. Foi assim, por dois meses. Depois que a euforia e as novidades cessam, o vazio no peito volta. A insegurança volta. Parece que sempre está faltando alguma coisa para ser completamente feliz. Assim, descobri por meio de vários livros e experiências vividas, que, se você não está feliz hoje, agora, no lugar onde você está e com quem você é, não vai ser semana que vem ou em Paris que a felicidade estará te esperando.

6- Sim, existem muitas pessoas que vivem com menos de 1 dólar por dia

Isso foi uma das coisas mais tristes que aprendi. O número de pessoas que vivem na linha da pobreza e abaixo dela são imensos. E o pior de tudo, é que o mundo todo sabe que existem pessoas nessa situação, mas pouquíssimas tomam atitude para ajuda-las.

A gente pensa que não pode fazer muita coisa por alguém que mora lá no Camboja e talvez realmente não esteja ao nosso alcance. Mas ajudar o morador de rua da sua cidade você pode. Doar 5kg de alimentos para um orfanato, você pode. Já pensou se todos fizessem sua parte no ambiente em que moram? Peço que você reflita, mudar o mundo só depende de você.

7- Inglês é necessário

Infelizmente (ou felizmente) esse é um fato inegável. Fico até envergonhada porque em países menos desenvolvidos as pessoas falam o Inglês melhor do que grande parte dos brasileiros. E não tem como fugir, para qualquer lugar que você viaje, o inglês estará presente! Não sabe como começar? Baixe o aplicativo Duolingo e faça 10 minutos por dia. É grátis e vai agregar para o seu futuro.

Namastê!

O que achou do artigo?