10 coisas que podem te levar à impotência

A impotência é um fantasma que assusta e atormenta milhares de homens mundo afora. Calcula-se que a disfunção erétil afete meio milhão de homens na Europa, mas só uma pequena parcela tem diagnóstico e faz tratamento.

No Brasil, algumas pesquisas atestam que os homens têm muito mais medo de ficar impotente do que da violência.

A maior parte dos casos de impotência tem origem orgânica, como diabetes e a hipertensão, ou é provocada por perturbações psicológicas como o stress,  ansiedade ou consumo de drogas.

A boa notícia é que você pode dar uma mãozinha para evitar o surgimento do problema adotando os hábitos recomendados logo abaixo.

  • Andar de bicicleta

O que pouca gente sabe é que andar de bicicleta também pode causar impotência. Um estudo mostrou que os homens que tinham o hábito de andar de bicicleta mais de três horas por semana tiveram maiores episódios de impotência do que homens que montavam por um período de tempo menor.

Isso porque a compressão do períneo sobre a sela  dificulta a distribuição de sangue para o pênis, diminuindo  sua oxigenação. A dormência da zona genital é normalmente o primeiro sinal de que existe compressão nervosa e restrição do fluxo sanguíneo.

A disfunção erétil é um problema subsequente, caracterizando-se pela dificuldade ou mesmo total incapacidade em conseguir uma ereção com firmeza suficiente para dar continuidade ao ato sexual.

  •  Sobrepeso

O sobrepeso pode ser uma das causas da impotência. Na Austrália, um especialista conseguiu solucionar a disfunção erétil de um grupo de pacientes obesos depois de os estimular a perder peso.

Há dois motivos que podem ajudar a entender isso. Quando uma pessoa obesa perde peso, uma das conseqüências é a melhora da circulação sanguínea, o que auxilia no bom desempenho do pênis por haver uma maior irrigação do órgão.

Por outro lado, cientistas da Universidade de Florença, na Itália, comprovaram que os níveis de certos hormônios masculinos, como a testosterona, diminuem na proporção que ocorre o aumento do peso, o que reduz o apetite sexual.

  • Dificuldades emocionais

O estresse diário, cobranças podem gerar problemas emocionais, que podem afetar o desempenho sexual masculino, frustrando o casal.

Tensões no relacionamento também podem induzir a um quadro de impotência. Felizmente, a disfunção erétil motivada por dificuldades emocionais é a mais fácil de tratar, pois, superados esses problemas, a impotência logo estará solucionada sem a necessidade de intervenção medicamentosa.

  • Hipertensão

Homens hipertensos têm maiores chances de ter problemas de ereção. Isso acontece porque a hipertensão “atrapalha” a boa distribuição de sangue pelo corpo, diminuindo a irrigação sanguínea do pênis. Como a chegada de sangue aos corpos cavernosos é essencial para que o pênis fique ereto, ao ocorrer uma restrição sanguínea, a ereção pode não ocorrer ou acontecer de forma ineficiente.

  • Medicamentos

O uso de alguns medicamentos pode induzir a disfunção erétil. Alguns diuréticos podem atrapalhar a circulação sanguínea e diminuir a concentração de minerais necessários para a produção do hormônio masculino, a testosterona, causando dificuldades de ereção.

Há também alguns medicamentos chamados de betabloqueadores que são usados para controle da pressão arterial e que podem levar a uma disfunção erétil. Se essa for a causa diagnosticada, é necessário conversar com o médico para ver a possibilidade de suspender, alterar a medicação ou até mesmo suspendê-la, substituindo-a por um tratamento alternativo e menos danoso à sua vida sexual.

  • Má alimentação

Comidas com alto teor de gordura, repletas de açúcar ou as bebidas gaseificadas podem atrapalhar o desempenho sexual se forem consumidas pouco tempo antes do ato sexual.  Esses alimentos levam um longo período para serem digeridos pelo organismo, roubando boa parte  da energia dele.

A longo prazo, a má alimentação leva ao aumento do colesterol, dos triglicérides e da glicemia, o que leva ao desenvolvimento de problemas cardiovasculares e metabólicos, como diabetes, doença que acarreta danos aos vasos sanguíneos,prejudicando a ereção.

  • Sedentarismo

Assim como a má alimentação, o sedentarismo  está associado ao aumento do colesterol, dos triglicérides e da glicemia, acarretando o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e metabólicas. Esses problemas comprometem os vasos, atrapalhando o tráfego sanguíneo, o que causa o impacto direto na capacidade do pênis de produzir ereção.

O sedentarismo causa indisponibilidade física, deixando o indivíduo com sensação de cansaço, indisposição, irritabilidade e pouca disposição para atividades com mobilidade física,até mesmo se essa atividade for fazer sexo.

A falta de exercícios físicos reduz os níveis de endorfina no organismo, o que prejudica a autoestima e pode comprometer a vida sexual. Então, procure fazer exercícios físicos. Escolha uma atividade que tenha a ver com você e comece a se mexer já.

  • Álcool

Todo mundo sabe que o álcool, em pequenas doses, pode ser ótimo  para desinibir os amantes e prepará-los para o ato sexual. No entanto, quando consumido em excesso, pode causar o efeito contrário, pois lesa os nervos periféricos e os vasos sanguíneos, prejudicando dessa forma a sensibilidade e a ereção do homem.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma dose “aceitável” para pessoas saudáveis deve se limitar a uma taça de vinho por dia.

  • Evite fumar

Quem fuma diariamente está mais vulnerável à impotência, segundo um estudo com homens dos 35 aos 74 anos de idade divulgado na revista American Journal of Epidemiology.

Uma das razões que os especialistas indicam para isso é desaceleração do fluxo sanguíneo em todo o organismo após a inalação da fumaça. Ademais, a ação da nicotina estreita as artérias, dificultando o trânsito sanguíneo, porém o tabaco não é o único inimigo da intimidade.

Um relatório publicado no Journal of Sexual Medicine revela que a maconha atua diretamente sobre determinados receptores do pênis, dificultando a ereção.

  • Ronco

O ronco é um sinal de que a sua respiração é gravemente prejudicada durante o sono. Pesquisas modernas têm relacionado a apneia do sono, que causa o ronco, à impotência sexual. Aqueles que roncam durante o sono são duas vezes mais propensos a sofrer de impotência do que aqueles que não roncam.

Gostou do texto? Então deixe um comentário e nos siga nas redes socais.

O que achou do artigo?